Emocional com Eremita e 9 de Paus


Atualizados recentemente341

Quando esta combinação sai num jogo mostrando o lado emocional de alguém, podemos entender que existe uma boa dose de fraternidade, carinho e meiguice nessa pessoa em relação a outra, mas também muita resistência para se abrir e se entregar do ponto de vista amoroso. Assim, mesmo que o sentimento do indivíduo possa evoluir da amizade para algo mais romântico, ele não permite por medo do novo ou de vir a sofrer novamente.

Baralhos Para Conhecer: Egípcios


Para quem gosta do tema egípcio, eu separei aqui alguns baralhos que usam esta cultura como base imagética. Coloquei duas cartas para cada um para mostrar o desenho tanto de um Arcano Maior (à esquerda) quanto de um Menor (à direita). Espero que gostem!

Atualizados recentemente333

Atualizados recentemente334

Atualizados recentemente335

Atualizados recentemente336

Atualizados recentemente337

Atualizados recentemente338

Atualizados recentemente339

Atualizados recentemente340

Como ler para amigos


Tarô-12

De vez em quando um amigo pode pedir ou precisar de uma consulta. Porém, como vocês se conhecem bem, é importante se atentar a algumas coisas:

1. Não dá para ler para todo e qualquer amigo

Isso significa que seu amigo pode não ser capaz de lidar com a consulta de forma madura, confundindo amizade com o seu lado profissional. São casos de amigos que não vão querer pagar pela leitura, pois acham um absurdo você cobrar (imagina se amigos médicos tivessem que fazer uma cirurgia de graça usando o mesmo raciocínio). Claro que existem casos e casos, mas, de maneira geral, isso é um sinal de que não se poderia ler para esta pessoa. Outra possibilidade é aquele amigo que não terminará o atendimento. Ou seja, você lê para ele e depois ele continua lhe procurando, dia a pós dia para tirar dúvidas, pedir complementações e assim, uma consulta se torna muitas, devido ao caráter informal da situação. Por fim, tem aqueles amigos que vão achar que você está usando as cartas para passar indiretas, falando sua opinião e não o que está de fato sendo mostrado.

2. Deixe claro o que se deve esperar da situação

Uma das formas de evitar estes contratempos é deixando claro como as coisas vão funcionar. Mostrar que é seu trabalho, que você não será pessoal, que é preciso marcar uma data e horário, que não é sempre que você fará isso, apenas se sentir que realmente vai ajudar este amigo, etc. Se ele não aceitar, sugira um colega tarólogo para atendê-lo.

3. Não compartilhe o que foi dito em consulta, nem use isso contra seu amigo

Saindo da esfera “amigos imaturos”, é bom fazermos o nosso mea culpa, evitando falar sobre o que saiu na consulta em horas inapropriadas ou com amigos em comum. A consulta é que nem confissão. Fica só entre você e a pessoa. Portanto, se brigar com seu amigo, não use o que saiu contra ele, nem fique depois monitorando se seguiu os conselhos ou não, apontando o dedo e dizendo “não te falei?”.

4. Não diga sua opinião pessoal, leia o que está nas cartas

Por fim, pode acontecer que, lendo as cartas, você perceba que sua opinião difere do que está sendo aconselhado. Ao invés de omitir e dizer o que pensa, seja ético e profissional. Muitas vezes a consulta não ajuda só o consulente, mas também o tarólogo a expandir seus horizontes e a pensar de forma diferente.

Imagem: Leo Rey/ Old English Tarot

E se você sentir que as cartas estão erradas?


abril28

É verdade que normalmente quando tiramos as cartas, elas não necessariamente nos dirão o que queremos ouvir ou o que esperamos ver. Porém, algumas vezes, quando deito um jogo, eu “sinto” que existe algo errado. Como se as cartas não tivessem contando uma história coerente. Ou seja, mesmo que estejam dizendo o oposto do que esperava, elas ainda precisam fazer sentido e, quando não o fazem, eu não tenho receio em simplesmente refazer o jogo. Isso não tem a ver com ficar tirando várias vezes até dar aquilo que você quer e sim em evitar erros de interpretação.

Eu lido com isso como se fosse um erro aleatório de um aparelho eletrônico (um bug). Pode ser que eu estivesse cansada, nervosa, distraída quando tirei o jogo confuso. Pode ser que o consulente estivesse desconcentrado ou muito ansioso. Assim, quando essa sensação acontece,  eu normalmente tiro uma carta (Arcano Maior) para confirmar se a leitura está correta ou não.

Este método você pode criar a sua maneira. O importante é estabelecer algum tipo de diálogo com seu baralho. Eu considero, por exemplo, Sol, Imperatriz, Carro como respostas “sim”. Cartas meio neutras ou de confusão não me dizem nada, tipo Justiça, Roda da Fortuna, Louco. Por fim, Torre, Pendurado, Morte, Diabo, Lua respondem como “não”.

Quanto à impressão que eu tenho, não saberia dizer como funciona ou como surge. Eu simplesmente sei e imagino que tenha a ver com nosso lado mais intuitivo. E vocês, já fizeram um jogo e sentiram que estava errado? O que fizeram?

Imagem: Leo Rey/ 8 de Ouros/ Fairy Tale Tarot

Tarô e Cultura: A Bela e a Fera (2014)


maxresdefault (1)

Recentemente assisti ao longa-metragem francês de 2014, A Bela e a Fera. Muito bonito visualmente. Mas o que me deixou mais feliz foi ver, no começo do filme, uma consulta de Tarô.

Astrid e Perducas formam o “casal do mal”, por assim dizer, os bandidos, antagonistas da trama. O irmão de Bela deve muito dinheiro a ele, por isso, vive surgindo na história para reivindicar sua dívida. O interessante é que, antes de qualquer empreitada, ele se consulta com sua amante.

Antes de Astrid virar a terceira carta

Momentos antes de Astrid virar a terceira carta

O jogo que ela tira em cena é composto por 3 cartas, nesta ordem: o Mago, a Lua e o Pendurado.

Astrid interpreta a primeira carta como a chegada de um homem que vem trazer algo a seu amante (Perducas, atrás dela na imagem). A segunda como uma promessa de grandes riquezas e a terceira como uma morte terrível (carta que ela só vira depois que seu namorado vai embora).

No filme, a intenção é associar quase literalmente a imagem dos arcanos com os cenários, personagens e situações.

A Fera ainda como homem, interpretada por Vicent Cassel

A Fera ainda como homem, interpretada por Vicent Cassel

O Mago está vestido como um personagem daquela época.

Design do jardim do palácio

Design do jardim do palácio

A Lua mostra um reino enevoado, remetendo ao castelo enfeitiçado e o Pendurado é uma alusão ao tipo de morte que o vilão sofrerá. Não considero isso um spoiler, pois todos sabem que nos contos de fada o vilão padece ;)

Eduardo Noriega como Perducas

Eduardo Noriega como Perducas

Apesar disso, pode-se dizer que os significados são próximos, não prejudicando a essência do Tarô. Afinal, o Mago traz mesmo algo novo, a Lua tem sentido de prosperidade (assim como o medo de amar) e o Pendurado mostra a imobilidade do vilão (e também suas ilusões).

O Tarô utilizado no filme é o Ancient Tarot of Lombardy.

Veja as figuras:

Gumppenberg_1810_-_Lombardy_-_XVIII_-_La_Luna (1) Gumppenberg_1810_-_Lombardy_-_XII_-_L__Appeso Gumppenberg_1810_-_Lombardy_-_I_-_Il_Bagattelliere

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 4.317 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: