Arquivo da categoria: Dúvidas de Clientes

Nossa energia influencia?


Perguntaram se a energia da pessoa influencia o que sai nas cartas. Para mim, tal não altera a consulta em si, o resultado. Na verdade, o estado de espírito do consulente interfere na reação dele ao que sai no jogo.

Por exemplo, uma pessoa que está disposta a aproveitar a consulta, presta atenção aos conselhos e reconsidera suas ações. Quem faz a consulta só para ouvir o que deseja, terá a tendência a fechar os ouvidos, às vezes até negando o que saiu ou só prestando atenção aos detalhes que lhe convém e esquecendo outros.

______________________________________________________

Para consultas, acesse:

Email Simples – https://goo.gl/1hdiZ5
Email Completa – https://goo.gl/UgT2NR
Chat – https://goo.gl/8sLaeu

Anúncios

Tarô dá previsões exatas?


Roda da Fortuna - Tarot of the Spirit World

Roda da Fortuna – Tarot of the Spirit World

Seria ótimo se, ao perguntarmos algo ao Tarô, ele nos desse o dia, a hora e o local onde tal evento se materializaria. Porém, não é assim que acontece. Primeiro porque os símbolos não dão conta de fazê-lo. Segundo porque os métodos de tempo que vejo por aí, nunca funcionaram comigo.

Assim, o que sempre me pareceu mais efetivo é simplesmente determinar a realização dentro de períodos de tempo mais abertos, como um mês, um trimestre, um ano, etc, fazendo perguntas objetivas: tal coisa acontecerá em até X tempo?

A questão é que, antes disso, temos que entender se a realização é de fato possível. Pois, se tivermos cartas ambíguas ou de fraca realização, mesmo vendo um prazo, tal poderá ser anulado se os conselhos da consulta não forem seguidos.

Vamos pensar no 7 de Espadas, por exemplo, que fala de possibilidade de realização desde que haja astúcia e cautela. Ou seja, se o consulente não for esperto, colocará tudo a perder. Então, mesmo que eu veja que as coisas podem acontecer em até 3 meses, isso de nada valerá se ele se esquecer que o 7 de Espadas não é um Sol ou Rei de Paus. Ou seja, que a realização prevista não tem tanta força assim, embora sua possibilidade não esteja de todo descartada, como seria o caso de um Pendurado ou Torre.

Dos símbolos à vida real


14731324_1364328210273840_1064384482304836725_n

É comum que os consulentes queiram um nível de detalhamento super preciso quando consultam o Tarô. Porém, temos que nos lembrar que os arcanos são formados por símbolos e eles, por si só, são um pouco generalistas. Assim, mesmo que haja a especificidade da energia contida neles – o sucesso do Sol é diferente da vitória do Carro ou da realização do Imperador – não é possível saber exatamente como as coisas irão acontecer na vida real.

Se o tarólogo começar a tentar deduzir demais os detalhes dos acontecimentos narrados pelas cartas, é quando a consulta começa a ficar realmente especulativa. Por isso, é preciso cuidado ao ficar “chutando” possibilidades, pois o consulente tende a gravar só estas deduções, se esquecendo da interpretação primordial.

Por exemplo, podemos dizer que você irá conseguir algo, mas tal irá lhe decepcionar. O consulente vai querer saber: por que vai me decepcionar?

  • No caso do 3 de Espadas, podemos afirmar que verdades duras terão que ser aceitas ou que, após ter a coisa na mão, o brilho da conquista irá passar;
  • Com o 5 de Copas, veremos expectativas frustradas, no sentido emocional;
  • No 8 de Copas, poderemos entender um arrependimento;
  • Enquanto que no 5 de Espadas, um constrangimento, uma canseira.

Porém, é complicado neste ponto saber, só por estas cartas e sem fazer novos jogos, quais são as verdades duras, quais são as expectativas, de onde virá o arrependimento, etc.

Dependendo do que o consulente trouxer, poderemos deduzir e ajudar a pensar, mas não necessariamente o que imaginarmos é o que se verificará depois.

Pode parecer incômodo não saber exatamente o que irá acontecer, porém, seria muita prepotência acreditar que teríamos este poder. Nem mesmo a ciência, com seus instrumentos precisos, consegue acertar 100%.

Então, antes ficar grato por ter um pouco mais de clareza sobre o momento presente e os caminhos que estamos percorrendo e o que podemos encontrar (afinal, se vamos nos decepcionar, precisamos mudar/corrigir algo no aqui-agora, não é mesmo?), do que perder tempo numa busca por precisão que, em essência, não altera o resultado.

Como que sempre sai a carta certa?


Tarô-5

A gente embaralha, corta e, como mágica, as cartas que saem respondem coerentemente a pergunta feita. Mas, caso saíssem outras cartas, o Tarô responderia da mesma forma? Eu digo que sim.

O trunfo do Tarô é que as combinações são inúmeras e muitas cartas tem significados parecidos. Assim, de um jeito ou de outro, teremos uma resposta viável, embora alguns detalhes possam aparecer num jogo e não em outro.

Por exemplo, queremos saber se uma compra será feita e temos:

O Sol

Sol e 5 de Ouros – aqui sabemos que sim, mas que haverá alguma perda, a expectativa não será atingida, mas, se tivéssemos tirado Mundo e 8 de Copas? A resposta é semelhante: compra com prejuízo.

É claro que o Sol e o Mundo não são idênticos. Possuem suas nuances. Mas, para a pergunta, ambos respondem afirmativamente. Assim como o 5 de Ouros e 8 de Copas indicam perdas, mesmo que sentidas de modo diferente.

Supondo que ambas tiragens tenham sido feitas em momentos distintos, poderemos entender o que mudou de uma situação para outra ou como uma leitura complementa a outra em detalhes. Então, o que Sol + Mundo significa? e 5 de Ouros + 8 de Copas?

Este é um exemplo mais direto e fácil.

Rei de Ouros - Old Path Tarot

Rei de Ouros – Old Path Tarot

O problema é quando o Tarô inverte e responde, por exemplo, Justiça com Rei de Ouros. Ou seja, continua falando da realização (pois tanto a Justiça quanto o Rei de Ouros a garantem), mas dá uma puxadinha na orelha dizendo: “fique de olho, para não perder alguma coisa”.

Neste caso, a Justiça dá o conselho para prevenir a perda que foi mostrada nas combinações anteriores, acima.

Consulta de Tarô como Exame de Sangue


divine-5

Quando fazemos uma consulta de Tarô temos a impressão de que o tarólogo está vendo tudo o que tem para saber a nosso respeito, inclusive detalhes que nem foram perguntados ou imaginados. A questão é que, tal como um exame de sangue que fazemos no laboratório, se não soubermos exatamente o que estamos procurando, muitas coisas importantes poderão passar despercebidas.

Para que esta comparação fique mais clara, imagine que você tenha alergias. Quando isso acontece, há uma alteração significativa no sangue. Porém, na hora de realizar o exame, se você pedir apenas os níveis de açúcar e colesterol, não é magicamente que virá no resultado seus índices alérgicos.

O mesmo se verifica na consulta de Tarô. Se existe alguma situação importante para explodir no seu trabalho, mas, durante a consulta você foca somente em seu lado amoroso, o tarólogo não irá investigar este lado e assim, não poderá lhe fazer este alerta. (Não é culpa do tarólogo que você não tenha querido ver este setor ou sua vida de forma geral).

Ele poderia fazer este desvio do assunto principal e ver todas as suas outras áreas? Poderia. O problema é que isso envolve tempo e custo, tal como no exame de sangue. Afinal, o laboratório é incapaz de ver tudo o que se possa ver com apenas aquelas amostras que você deu. Ou seja, você teria que encher muitos outros tubinhos. Depois, teria que pagar por cada um dos testes extras realizados, pois são processos diferentes, em máquinas diferentes. E se você tem plano médico, não se engane, este exame de alergia que citei é super caro e, antes de fazê-lo o laboratório confirma se você realmente tem direito a ele.

Isso posto, a vida de cada pessoa é tão ampla, que se um tarólogo for querer ver ponto a ponto sobre cada situação, ele ficará dias focado exclusivamente em uma pessoa, sendo que a mesma nunca pagaria por todo este empenho e tem vezes que nem se sentiria confortável ao sabê-lo, já que o tarólogo estaria invadindo sua privacidade.

Por isso, é esta falta de compreensão sobre como a consulta funciona que leva muitos consulentes (sem noção) a ficarem cobrando o complemento do complemento do complemento de uma consulta que já foi realizada*.

Pense bem, se você não retorna ao laboratório exigindo que eles peguem o mesmo sangue coletado para ver mais uma dezena de coisas, não é correto retornar ao tarólogo para que ele veja outros tantos aspectos que não foram perguntados, se esquecendo que o profissional terá que realizar outras consultas só para respondê-las.

*Isso é diferente de tirar dúvidas, o que é justo e faz parte.

Previsões negativas podem ser modificadas?


O Tarô sempre mostra o presente estendido, tanto no sentido de alguns meses para trás quanto para frente.

Assim, quando vemos uma previsão boa ou má ela está de acordo com o movimento que o consulente já vem traçando, seja com emoções, pensamentos e mesmo ações.

Por isso, durante a consulta temos uma parte de orientação, conselhos, para ver o que o consulente pode mudar no hoje, para que os efeitos vistos seja modificados.

Entretanto, tem algumas coisas difíceis de alterar, pois não dependem apenas de nós.

Mago - Oswald Wirth Tarot

Mago – Oswald Wirth Tarot

Por exemplo, podemos estar num relacionamento em vias de acabar. O Tarô pode indicar caminhos para resolvermos nosso lado, mas, se o outro não resolver o dele, o máximo que conseguiremos será sair melhor da relação, mais calmos e centrados, menos abalados.

Então eu diria que o que é previsto sempre pode ser alterado, principalmente se houver livre-arbítrio na situação.

E como podemos saber disso? Quem estuda o Tarô sabe que algumas cartas indicam liberdade de escolha (Mago, Ás de Copas), outras erros do próprio consulente (4 de Espadas, 7 de Copas) e, por fim, imposições do destino (Temperança, 9 de Paus)

7 de Copas - Harmonious Tarot

7 de Copas – Harmonious Tarot

Ler Tarô pode nos fazer mal?


divine

Recentemente recebi um email que me relatava sobre o fato de que muitas pessoas que trabalham com cartomancia possuem vidas confusas e, por isso, ficam constantemente doentes. Assim, a pessoa queria saber o que eu fazia para me manter em equilíbrio.

Como se trata de uma questão interessante e um fato que eu também já notei em colegas, coloco minha resposta abaixo sobre o que faço para não me contaminar durante as consultas:

Respondendo sua dúvida, eu tento levar o Tarô da forma mais profissional possível, não me apegando, nem sofrendo com os problemas dos consulentes. Afinal, é muito normal a gente ter empatia e compaixão pelos sofrimentos alheios, acabando por confundir as coisas e, no processo, se desgastando.

Por isso, as pessoas que acabam ficando mal (e doentes) nesta profissão são justamente aquelas que acham que somos ou devemos ser amigos dos clientes, não impondo nenhum tipo de limite a eles, seja atendendo a qualquer horário, seja repetindo a mesma pergunta, só para que se acalme ou batendo papo ao invés de ler as cartas, etc).

Na verdade, os consulentes nada tem a ganhar com isso, pois neste movimento, acabamos perdemos a objetividade e imparcialidade, até porque nosso trabalho não pode ser confundido com o de um médico ou psicólogo, mesmo que nossas leituras muitas vezes esbarrem nestas áreas.

Isso não significa, porém, que eu esteja 100% imune à energia das pessoas que consultam comigo. Se a pessoa está muito desesperada, irada ou inconformada, eu acabo sentindo. Então, tento não atender pessoas que estejam muito afetadas emocionalmente, encaminhando-as para suas famílias, amigos ou terapeutas, que são as pessoas mais indicadas no momento, do mesmo modo como não faço consultas se estou me sentindo cansada. Nestas horas, é melhor atender menos pessoas, mas com tranquilidade, do que ficar recebendo uma pessoa atrás da outra.

Veja outras dúvidas aqui

Qual é o melhor Tarô para brasileiros?


Penso que o melhor Tarô seja o mais tradicional, aquele no qual os conteúdos simbólicos sofreram menos alteração, até porque o significado de cada carta vem de seus símbolos universais, o que pode ser perdido ou mal-interpretado, quando se modifica demais as imagens, justamente para que fiquem mais parecidas com determinada cultura.

Neste sentido, o melhor Tarô para os brasileiros, é o melhor para qualquer povo, a saber o Marselha e, depois, o Rider-Waite.

Agora, para que fique mais claro, segue um exemplo:

O Eremita traz em si o arquétipo da sabedoria, autoconhecimento e solidão, pois todas as culturas possuem esta imagem internalizada do “velho da montanha”, do “asceta da floresta”, do “peregrino”.

Rider-Waite Tarot

Rider-Waite Tarot

Porém, se, apenas por uma questão artística, começamos a inventar muito, usando símbolos que não se associam a estes significados, passamos apenas a reconhecer uma carta como a do Ermitão apenas porque seu nome está escrito nela.

Nesta versão abaixo, temos um homem tocando um instrumento, o que dá a impressão de alegria e movimento. Poderíamos associá-lo ao Louco.

Etruscan Tarot

Etruscan Tarot

Já nesta, um elfo alcança uma moeda no topo de uma montanha, o que pode passar a impressão de coragem, empenho, determinação, dignas de um Carro.

Tarot of the Elves

Tarot of the Elves

Por fim, temos uma moça jovem e bonita segurando uma lâmpada. Teríamos a tendência a associá-la mais a uma Rainha ou à Sacerdotisa, do que ao Eremita.

China Tarot

China Tarot

É possível ver nomes nas cartas?


Tarô-15

Não.

Tem vezes que as pessoas querem ver nas cartas o nome de seu futuro companheiro.

Isso nunca vai acontecer e por uma simples razão: o conjunto simbólico das cartas não se se presta a isso. Afinal, teria que haver um sistema único que determinasse que toda vez que saísse uma carta, ela correspondesse a um determinado nome.

Porém, como fazê-lo?

Sol seriam nomes começados com S? Mas não temos todas as letras do alfabeto contidas nos Arcanos Maiores: M, S, I, I, S, E, C, J, E, R, F, P, M, T, D, T, E, L, S, J, M, L (onde estariam o A, B, G, H, N, O, Q, U, V, X, Z, K, W e Y?). Teríamos que usar os Arcanos Menores? E os Maiores que tem dois ou três nomes, como Sacerdote/Papa/ Hierofante, Sacerdotisa/Papisa, Enforcado/Pendurado…até porque, na vida de uma pessoa, a diferença entre Eduardo e Paulo poderá ser fundamental! E nem estamos pensando em sobrenomes ainda…

Logo, uma pessoa virar uma carta, como a Lua, por exemplo e afirmar: o nome do seu futuro marido será José de Souza, é absurda e ridícula. A não ser que exista uma mediunidade, sobre a qual não pretendo discutir, no final das contas, o resultado será o mesmo: nomes não podem ser vistos nas cartas. Mesmo que se acerte, terá sido no chute, na adivinhação ou na dedução pelo histórico do consulente.

Agora, o que o Tarô pode afirmar é se esta pessoa irá se casar, se será feliz no casamento, se tal demorará a acontecer, se a pessoa com quem namora poderá ser sua companheira de longo prazo, etc.

Veja aqui outras dúvidas respondidas

%d blogueiros gostam disto: