Minha história com o Tarô – Parte II


livro-taro-adivinhatorio-7051-MLB5151444239_102013-F

Após minha experiência com as cartas de baralho comum, com meu avô (leia a primeira parte aqui), só voltei a me deslumbrar aos 13 anos, quando minha mãe comprou o Tarô Adivinhatório, da Editora Pensamento, em 1995. Na época, as cartas vinham em placas de papelão destacável, o que hoje detesto, pois as bordas das cartas ficam com aquelas “bolinhas”.

adivinhatorio-00319

adivinhatorio-00321

Na época, eu não entendia nada de Tarô, nem sabia o que era, mas fiquei fascinada com aquelas imagens diferentes, cheias de nomenclaturas, datas, símbolos. Por muitos anos achei que Tarô era aquilo, sem perceber que a carta real estava oprimida no centro, rodeada por informações astrológicas e cabalísticas, desnecessárias a um novato.

4766631622_e49b1e55c1_m

Isso tornou meu aprendizado difícil, então, decorei apenas os 78 significados e comecei a jogar. Naquela época, minha intuição era muito aguçada (afinal, não tinha muitas preocupações) e eu acabava acertando muito, mesmo sem conhecimento técnico. Meu jogo padrão era com 10 cartas: 3 linhas de 3 cartas e 1 de síntese.

Por causa dessa facilidade, minha mãe desistiu de jogar – as tiragens dela nunca tinham sentido – e eu acabei me tornando a taróloga da família.

Durante a adolescência, isso foi mais um passatempo e uma maneira de socialização do que uma atividade séria, até porque eu não tinha grandes pretensões em relação a isso. Então, além de “brincar”, eu comprava novos tarôs em livrarias sempre que os via.

(Alguns anos depois da minha “iniciação”, os tarôs passaram a ser vendidos de forma mais amiúde).

tarot-mitolc3b3gico

Vieram após este Adivinhatório (que eu plastifiquei para durar mais e que mesmo assim ficou podrinho de tanto uso), o Mitológico (que confundiu mais minha cabeça em relação aos significados das cartas que já havia decorado), o Cósmico (que tinha um pouco de Crowley, fazendo algumas cartas terem sentidos opostos ao que tinha aprendido), o de Osho (que foi um ótimo instrumento de auto-ajuda, mas não para me esclarecer dúvidas no Tarô), até enfim descobrir o Waite e o Nei Naiff, que mudaram minha relação com o Tarô.

tarotb

 Continua…

Anúncios

Sobre Vanessa Mazza

Graduada em Comunicação Multimídia pela UMESP, já trabalhei em emissoras de TV, produtoras de vídeo e cinema, além de ter sido assessora de imprensa de um órgão do Governo do Estado de São Paulo. De 2008 a 2011 me envolvi com a área de internet do Grupo Corrêa Neves de Comunicação em Franca, cidade do interior paulista para a qual me mudei para ter mais qualidade de vida e bem-estar. Dessa forma, pude me dedicar mais intensamente ao tarô, com o qual tenho uma vivência de 17 anos e mais de 5 mil atendimentos, e outros assuntos holísticos, escrevendo artigos e realizando consultas. Atualmente resido em Petrópolis, no Rio de Janeiro, tendo assumido completamente minha profissão de taróloga – que passou a ser reconhecida pelo ministério do trabalho desde 2002 – e atendo preferencialmente por chat e email.

Publicado em 11/05/2014, em Artigos, Baralhos, Curiosidades, Tarô e marcado como , , , , , , . Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Alguma dúvida? Deixe abaixo!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: